Endividamento familiar diminui em Sergipe

O Instituto Fecomércio de Pesquisa e Desenvolvimento (IFPD), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio-SE), realizou uma nova pesquisa, para avaliar o volume de endividamento dos consumidores sergipanos, no mês de março.

Foram ouvidos representantes de 1 mil famílias em todo o estado de Sergipe, para a execução da avaliação da Pesquisa de Endividamento e Intenção de Consumo. Os novos resultados revelaram queda no volume de famílias endividadas no estado. O número de famílias com dívidas declaradas caiu 8.5% em relação ao mês de janeiro deste ano. Em março, foi registrado o número de 78,6% de famílias com dívidas, contra 87,1% de endividados no primeiro mês do ano.

De acordo com os dados apurados pela Fecomércio, o universo de endividamento da população sergipana diminuiu, devido às condições atuais da economia, que não favorecem o consumo, nem a aquisição de bens que possam promover endividamento populacional. Com o cenário econômico desfavorável para o consumo, as famílias sergipanas estão buscando a liquidação de suas dívidas, reflexo do processo de educação financeira que a atual conjuntura do mercado sergipano tem forçado as famílias.

Dentro do total das famílias pesquisadas pela Fecomércio, 28,7% informaram que as contas de casa estão comprometidas com dívidas de alto valor. 24,4% informaram ter endividamento em nível mediano em suas famílias. Já, para 25,5% dos entrevistados as dívidas familiares são consideradas poucas. Um quinto das famílias avaliadas, 20,5%, informaram não ter nenhuma dívida comprometendo seu orçamento, enquanto, 0,9% não souberam responder o questionário aplicado.

Cartões

Os cartões de crédito ainda permanece sendo o principal gargalo das famílias sergipanas, no que diz respeito ao endividamento. Entretanto, a dívida está se reduzindo. No mês de março, o crédito para compras alcançou o volume de 56,3% do total das dívidas das famílias sergipanas. A queda entre o primeiro e o terceiro mês do ano foi de 10,8%. Considerando que, em janeiro, o cartão de crédito influenciava em 67.1% das dívidas. A queda representa a negociação das dívidas para sua quitação por meio de eventos realizados com objetivo de recuperação de crédito, como o Mutirão do Nome Limpo, promovido pela Fecomércio e Procon Municipal de Aracaju.

De acordo com o presidente da Fecomércio, Laércio Oliveira, os números de redução nas dívidas dos sergipanos são animadores. Entretanto, ainda há uma preocupação com a queda do consumo, que provoca danos em todo o comércio sergipano, provocados pelo recuo da economia em Sergipe e no Brasil.

“Os resultados apresentam redução no número de famílias endividadas e no tempo comprometido para pagar dívidas, reflexo da retração econômica dos últimos meses. Na contramão, aumento da inadimplência e na parcela da renda, reforçam as análises econômicas que apontam para uma queda do nível de consumo que geram inflação”.

Atraso

As contas em atraso dos sergipanos sofreram uma queda de 1,7% entre janeiro e março, caindo de 33,4% para 32,7% do total de pesquisados. Todavia, o número de famílias com inadimplência de suas contas a pagar aumentou 3,2%, subindo de 8,1 para 11,3% de famílias em situação de inadimplemento. O tempo médio de atraso das contas dos sergipanos caiu de 60 para 59 dias, bem como o tempo de comprometimento com as dívidas, que anteriormente era de sete meses, agora passou a ser de seis meses.

Mesmo com a diminuição do volume de dívidas das famílias, o sergipano está comprometendo uma maior parcela do seu orçamento para efetuar sua quitação. Março apontou o maior dado em relação ao volume de parcela de renda para pagar as contas, com 42,2% do total de seu orçamento.

 Arquivo para Download -> PEIC Fecomercio – Marco 2016 – Vs01