Potencialidades de Sergipe são apresentadas para governo chinês

Com foco na expansão da atividade comercial bilateral, explorando o comércio exterior entre Sergipe e China, o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, deputado federal Laércio Oliveira, apresentou as potencialidades econômicas sergipanas para a Cônsul geral da China, em Recife, Yan Yuqing, o Cônsul comercial, Shao Weitong, além do diretor do Bureau de Comércio municipal da cidade de Yiwu, Yang Zhonghong, Ji Zilin, presidente da Câmara Comercial Jiangsu em Yiwu, e o vice-prefeito da cidade chinesa, Zhang Chao.

Laércio mostrou como Sergipe tem capacidade produtiva de exportação de produtos e artigos que podem preencher a demanda chinesa, focando nos produtos alimentícios, indústria de bebidas, sucroalcooleira, valorizou a produção de insumos agrícolas, que tem capacidade de atendimento para o mercado internacional e potencial turístico de Sergipe, que possui atrativos que são interessantes para o povo chinês.

Em sua apresentação, Laércio mostrou dados e apresentou imagens do que pode ser comercializado com as empresas chinesas, fortalecendo o caminho comercial. Laércio foi enfático ao afirmar que a rede produtiva de Sergipe tem condições de atender as demandas do mercado chinês, principalmente ao comércio de Yiwu, um dos maiores polos comerciais da China. O presidente da Fecomércio destacou a importância da ampliação do comércio de mão dupla entre Sergipe e China.

“Estamos vivendo um momento histórico para o comércio exterior sergipano, pois podemos explorar a capacidade das empresas locais em exportar nossos produtos. Sergipe é o menor estado do Brasil, mas é uma potência, pois em um raio de 500 quilômetros, alcançamos uma população de 28 milhões de pessoas. Somos um estado rico em minerais, com ureia, potássio, rico em petróleo e temos a maior jazida de gás natural do Brasil, com 20 milhões de metros cúbicos por dia de capacidade de extração. Além disso, temos um grande potencial energético com a usina termelétrica, que pode atender a maior parte do nordeste do Brasil. Um estado pequeno com alto potencial produtivo na pesca, aquicultura, carcinicultura, turismo, que podem ser muito bem explorados para o mercado internacional. Tenho a certeza de que podemos fazer um futuro muito promissor para o comércio entre Sergipe e Yiwu”, afirmou Laércio Oliveira.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia de Sergipe, José Augusto Carvalho, valorizou a condição produtiva sergipana, afirmando que o Governo do Estado está aberto para a instalação de indústrias que possam elevar a produção sergipana para atender o mercado local e internacional.

“Temos produtos que podem conquistar uma fatia importante do mercado chinês, por serem de potencial exportação para suprir as necessidades do seu mercado. São produtos de fácil processo de envio por meio do nosso próprio estado. Faço um convite ao governo chinês para investir em Sergipe, com uma nova Fafen. Serão muito bem recebidos em nosso estado para construir uma cadeia de suprimentos focando na produção agrícola brasileira e exportando esse material para a China”, comentou o secretário.

Para o vice-prefeito da cidade de Yiwu, Zhang Chao, Sergipe tem plenas condições de promover a exportação de produtos locais, para abastecer o mercado chinês.

“Yiwu é uma cidade com oportunidades de negócios para as empresas, sendo o maior mercado atacadista do mundo, o maior despachante comercial da China. Temos como trabalhar o fomento de produtos para importação e exportação em grande escala. Distribuímos mais de 150 mil tipos de produtos e queremos uma maior variedade de produtos sergipanos. Mesmo com a distância geográfica, podemos ter uma ligação íntima pela via comercial. Estamos confiantes na parceria comercial com o estado de Sergipe, nosso governo está à disposição para isso”, disse Chao.

A Reunião foi coordenada pelo consultor de negócios internacionais do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac e presidente da Câmara de Negócios Internacionais, Luizandré Barreto e foi transmitida para o público que acompanhou a transmissão pelo Youtube.

Fecomércio discute desenvolvimento do Porto de Sergipe

Representando o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira, o superintendente da Fecomércio, Maurício Gonçalves, e o conselheiro da instituição, Marcos Andrade, participaram de uma reunião virtual promovida pelos executivos do Porto de Sergipe, o gerente de relações institucionais, Elias Rezende, e o novo gerente comercial, Ítalo Leão, via VLI, para tratar das potencialidades e possibilidades do Porto de Sergipe como vetor de desenvolvimento do Estado. A reunião aconteceu na quarta-feira, dia 7.

A empresa tem o objetivo de oferecer soluções logísticas que integram portos, ferrovias e terminais, transformando-os em locais com capacidade para atender com cada vez mais eficiência. Esta empresa é a responsável pelo andamento do desenvolvimento do TMIB – Terminal Marítimo Inácio Barbosa, conhecido como Porto de Sergipe.

O terminal está localizado no município de Barra dos Coqueiros e conta com uma área total de 2.143.000 m², equivalente a cerca de 200 campos de futebol. A área alfandegada, ou seja, aquela destinada às atividades relacionadas a fiscalização e cobrança de mercadorias, é de 785.000 m².

Durante a reunião, os gerentes do porto apresentaram o crescimento do TMIB nos últimos anos. Em um gráfico apresentado, foi ressaltado que o volume movimentado no terminal passou de 580 mil toneladas, em 2018, para 755 mil, em 2020.

Eles destacaram também que a VLI desenvolveu uma solução para o recebimento, armazenamento e a circulação no mercado, das cargas conteinerizadas, isto é, de contêineres. Estas serão recebidas por meio do regime de Declaração de Trânsito Aduaneiro, o que possibilita a suspensão de tributos.

Em cerca de 1 hora, os participantes trocaram ideias atreladas ao desenvolvimento do porto, sugerindo a adoção de atividades e ações que contribuam para o avanço da Economia. Para o superintendente da Fecomércio, Maurício Gonçalves, a reunião evidenciou que Sergipe tem condições de manter um grande terminal marítimo.

“Nós temos esta demanda há algum tempo, já que um dos pilares da Federação do Comércio é exatamente o de importação e exportação. Esta reunião foi muito importante, pois, por meio da VLI, nos juntamos com outros setores produtivos e com secretarias, como a do Desenvolvimento e da Fazenda, e enxergamos que a parceria para desenvolvimento do estado é muito importante”, disse.

Representando o Governo do Estado, estiveram os secretários de Estado do Desenvolvimento Econômico (Sedetec), José Augusto Carvalho, e da Fazenda (Sefaz), Marco Antônio Queiroz, além do presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise), José Matos, bem como assessores técnicos das pastas. “Ficamos muito satisfeitos com esta reunião promovida pela Fecomércio e nos colocamos à disposição, enquanto Governo, para promover encontros como estes, que só tendem a contribuir para o desenvolvimento das operações no TMIB”, afirmou José Augusto Carvalho.

O presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira, enfatizou que o Porto de Sergipe está em uma posição geográfica privilegiada, que tem alta capacidade de recepção da produção em um raio de 700 quilômetros de distância, com a oportunidade de escoamento para todo o mundo, por meio da unidade portuária local.

“Temos uma grande produção em níveis altamente elevados, como a produção sucroalcooleira, devido às usinas que temos no estado e exportam seu açúcar por outros portos. Podemos trazer esses e outros tantos produtores para enviar seu produto pelo porto de Sergipe, pois o empresário quer exportar pelo nosso porto, por ser preparado para enviar qualquer tipo de mercadoria”, afirmou Laércio.

*Hugo Barbosa, estagiário de jornalismo, sob supervisão de Marcio Rocha

Laércio defende vacinação em massa e medidas sanitárias contra a Coronavírus

O processo de recuperação da pandemia perpassa pela vacinação das pessoas e isso tem sido feito para ajudar a salvar as vidas dos brasileiros, quando a pandemia volta a acentuar seu grau de contágio, internamentos e mortes. Entretanto, para que a população esteja completamente protegida são necessários vários passos. O principal deles, sem dúvida é a vacinação, como diz o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira.

“A vacinação em massa, a adesão consciente e responsável às medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia é que vão surtir resultado mais rápido”, diz Laércio

“Tudo vai depender da velocidade em que o Brasil consiga transpor essa crise que gera tanto sofrimento. Nesse aspecto, o que vem sendo colocado pela Ciência é que a vacinação em massa da população é o caminho para que possamos voltar à normalidade em todos os aspectos, com ênfase para a retomada do crescimento econômico e seus efeitos positivos diretos sobre a empregabilidade. Penso que a vacinação em massa, a adesão consciente e responsável às medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia é que vão surtir resultado mais rápido. Precisamos deixar essa tragédia no passado e isso só vai acontecer com cada cidadão fazendo sua parte. Precisamos que você se cuide e cuide no próximo”, enfatiza Laércio.

No Brasil, existem duas vacinas sendo aplicadas na população, a CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e a CoviShield, fabricada no Brasil pela Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Universidade Britânica de Oxford e o laboratório Sueco AstraZeneca. Conheça um pouco mais sobre cada uma das vacinas que estão salvando os brasileiros e que todas as pessoas tomarão.

CoronaVac:

A vacina CorovaVac possui a tecnologia de desenvolvimento com o uso do próprio coronavírus, por meio de inativação por produtos químicos recessivos. Assim, provocando uma resposta no corpo da pessoa que é imunizada ao tomar as duas doses da vacina. Ela utiliza o adjuvante Alumina como reator contra a multiplicação do coronavírus, neutralizando sua proteína S, criando a imunidade com alta resposta de anticorpos. De acordo com o Instituto Butantan, a CoronaVac tem uma eficácia geral de 50,38%, o que quer dizer que a pessoa tem esse percentual de chance de não adoecer com a COVID. Já para quem teve a covid, a eficiência da vacina é de 78%, indicando que ela previne casos leves sem a necessidade de internação. Para as pessoas que tomaram a vacina não houve casos moderados ou graves, indicativo que a vacina tem 100% de eficácia, entre as pessoas que foram vacinadas e não desenvolveram quadro grave. Para quem toma essa vacina, o intervalo é de 3 semanas entre as duas doses.

CoviShield:

No caso da CoviShield, de acordo com a AstraZeneca, a tecnologia utilizada para o combate à doença é o vetor viral, com a aplicação de um adenovírus geneticamente modificado não replicante. Assim, quando imunizada a pessoa passa a produzir uma proteína que cria formas de combater o coronavírus, impedindo a infecção. O indicador de prevenção da doença é de 79%, fazendo com que as pessoas imunizadas com ela não desenvolvam a COVID. Para os casos moderados e graves, a eficácia da CoviShield/AstraZeneca é de 100%, ou seja, a totalidade das pessoas que tomaram a vacina não desenvolveram sintomas sérios, nem precisaram de internamento. Os dados da CoviShield foram confirmados pela revista “The Lancet”, maior publicação científica mundial. O intervalo de aplicação das duas doses da vacina é de 12 semanas.

Vacinas aprovadas

Janssen:

O Brasil está na expectativa para aplicação de mais uma vacina, já que no final de março, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a autorização temporária para uso, em caráter emergencial, da vacina da Janssen, um braço farmacêutico da Johnson & Johnson. O Governo Federal já adquiriu 38 milhões de doses do imunizante. Um grande passo está sendo dado para o reforço da vacinação com segurança no país. Na recomendação da Anvisa feita pela área técnica, a maioria dos diretores votou pela permissão de uso com base em uma avaliação de que os benefícios da vacina superam os riscos trazidos por ela. A vacina utiliza tecnologia com o vetor de adenovírus, que também utiliza a proteína S para criação de imunidade.

Pfizer:

Em 23 de fevereiro, a Anvisa concedeu o registro definitivo para a vacina desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer, em parceria com a empresa biotecnóloga alemã BioNtech. O imunizante teve sua segurança e qualidade aprovada. Após a aprovação, o Governo Federal aprovou a compra de 100 milhões de doses do imunizante. A Pfizer utiliza tecnologia gênica, com indução do próprio corpo produzir os anticorpos para combater o covonavírus, por meio de identificação do código genético do vírus, estimulando o corpo a produzir a proteína do vírus, fazendo com que a defesa contra a COVID seja desenvolvida.

Curso Fluentime com desconto exclusivo Fecomércio/SE

A Fecomércio e o Fluentime fecharam uma parceria exclusiva e que traz um excelente desconto para você que deseja aprender o inglês. Utilizando o cupom “FECOMERCIO” você aprende uma nova língua pagando apenas 12 parcelas de R$ 19,84. Você faz o seu horário em um curso 100% online, com áudios gravados por americanos, certificado de conclusão e tem a coordenação do professor Augusto Sales.

Faça a sua inscrição >>

Câmara Empresarial de Serviços discute sustentabilidade

A coordenadora da Câmara Empresarial de Serviços vinculada a Fecomércio, Laura Figueiredo, juntamente com o superintendente da instituição, Maurício Gonçalves, a coordenadora das câmaras e sindicatos ligados a entidade, Crys Moura, e integrantes do grupo, promoveu mais uma reunião ordinária.

Na ocasião, foi amadurecida a ideia do desenvolvimento de um planejamento de projeto sustentável. Por isso, o mais novo membro da Câmara, Igor Pinheiro, proprietário da Empresa Iandê Engenharia Sustentável, compartilhou seu conhecimento e suas experiências no ramo, contribuindo significativamente com o debate.

Além disso, o grupo assistiu à apresentação da Especialista do Núcleo de Gestão da Fecomércio RS, Katiane de Oliveira Roxo. Atualmente, ela é responsável pela logística sustentável do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac do Estado e está a frente de um projeto na instituição.

Ainda durante a reunião, os integrantes da câmara conheceram o empresário do ramo de drones, Carlos Júnior Negrão. Proprietário da Empresa Tex Engen, ele pretende regularizar o mercado de drones em Sergipe, uma vez que não existe associação ou sindicato para profissionais desta área.

Devido ao agravamento da pandemia da Covid-19 em Sergipe, apenas Maurício Gonçalves e Crys Moura participaram da reunião de forma presencial. Os demais, incluindo a coordenadora da Câmara, Laura Figueiredo, marcaram presença por meio da videoconferência.