Fecomércio sediará Câmara de Comércio Brasil-China em Sergipe

O sucesso do Programa de Internacionalização Empresarial da Fecomércio está dando resultados importantes para os empreendedores sergipanos. Agora, o trabalho ganha mais força, com a criação da filial sergipana da Câmara de Comércio e Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC), que será sediada na Fecomércio. O trabalho visa ampliar as oportunidades de internacionalização dos negócios das empresas locais, com foco na exportação e importação de produtos, captação de investimentos e projetar o crescimento empresarial no comércio exterior. A Câmara atua há 18 anos no Brasil, sendo responsável pela transação de negócios cuja cifra ultrapassam a casa das centenas de bilhões de reais.

A Câmara Brasil-China, será lançada na sexta-feira (04), no Hotel Sesc Atalaia, às 07h30, com a participação de empresários que estão exportando sua produção para o mercado chinês, bem como empreendedores que estimularam seus negócios, comprando produtos de qualidade de empresas chinesas, criando uma nova relação para o mercado sino-sergipano. A Câmara de Comércio Brasil-China evolui o trabalho da consultoria de internacionalização de negócios da Fecomércio, que já promoveu a realização de contratos de compra e venda de produtos para empresas sergipanas. Nos próximos meses, representantes de algumas empresas do estado irão participar de eventos em centros produtivos chineses, para conhecer melhor e ampliar o leque de produtos comercializados.

O processo de importação e exportação para os empresários locais, com a atuação da CCDIBC, será mais simplificado, objetivo principal do trabalho coordenado pelo presidente da Câmara, Luizandré Barreto, que será empossado na próxima sexta-feira. Empresas de Aracaju, Estância, Lagarto, Nossa Senhora do Socorro e Itabaiana estão com potencial viabilidade de exportação.

O lançamento da CCDIBC contará com a presença de empresários que mostrarão seus produtos a serem exportados, além de empresas que têm comprado produtos no mercado chinês. Outros estados já colocaram em prática essa estratégia tática de mercado e conseguiram elevar a capacidade produtiva local, bem como a conquista de produtos com preço mais competitivo para o mercado regional, promovendo economia para as empresas e para o consumidor.

A Câmara de Comércio e Desenvolvimento Internacional Brasil-China também tem a finalidade de buscar recursos para serem investidos nas empresas, pois os empresários chineses têm interesse em aplicar seus investimentos nas empresas sergipanas e criar novas oportunidades de negócio com o capital estrangeiro, elevando a geração de empregos para o estado.

A atuação da CCDIBC contemplará a orientação para os empresários sobre os processos de importação e exportação, identificação e desenvolvimento de produtos, análises de viabilidade das operações de importação e exportação, simulação dos custos das operações – indicando as vantagens e desvantagens para cada tipo de negócio – minimizando os problemas, enquadramento diante dos órgãos licenciadores, classificação fiscal de mercadorias, pagamento, programação de carga, descarga e desembaraço aduaneiro e finalização do processo com prestação de contas aos empresários.




Câmara de Comércio Sergipe-Brasil-China é apresentada para Unit

 

Na tarde de quarta-feira (25) o Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX), desenvolveu mais uma capacitação de qualificação das empresas. Intitulada “Como prospectar o Mercado Internacional”, a reunião ocorreu em um dos auditórios da Universidade Tiradentes, entidade receptora do projeto no estado de Sergipe, e contou com a presença de convidados e participantes do programa.

O objetivo da capacitação é trabalhar a importância da análise de mercado como forma de melhorar a competitividade e alcançar o mercado internacional. “O projeto busca preparar empresas de maneira direta, com essas capacitações, e de maneira indireta, através das comerciais exportadoras. Nesse sentido, o que nós buscamos, enquanto missão, é trabalhar a cultura de internacionalização para as empresas e para os convidados, que são as prefeituras e as instituições parceiras, como o SEBRAE, a Fecomércio, a SEDETEC, o IEL, o Banco do Nordeste, etc”, disse a monitora do PEIEX, Sandra Soares.

A capacitação contou com dois palestrantes. Um deles foi o consultor da Fecomércio, Luizandré Barreto, que ressaltou a importância de ministrar uma palestra voltada ao comércio internacional. “É fundamental tornar cada vez mais fácil, mais prático e mais claro, a comercialização internacional, seja comprando ou vendendo. A partir do momento que isso é orientado e instruído desde cedo, o setor começa a se tornar uma sociedade com mais conhecimento sobre o que é e como comercializar no mercado externo”, falou.

Na ocasião, Luizandré fez a apresentação oficial da Câmara de Comércio e Desenvolvimento Internacional Sergipe-Brasil-China, da qual ele é o presidente. Para o superintendente da Fecomércio, Maurício Gonçalves, é importante que uma instituição de ensino sergipana seja a sede de reuniões voltadas ao comércio. “Nós da Federação do Comércio temos uma busca de importação e exportação e ainda vamos lançar a Câmara de Comércio Sergipe-Brasil-China. É fundamental que a Universidade Tiradentes continue com essa conceituação de trazer capacitação às empresas, com qualidade, com transparência e com profissionalismo”, declarou.

Outro palestrante da capacitação foi o Especialista em Design Gráfico e Comunicação Digital, professor Cleon Menezes, que destacou a internet como peça fundamental para o desenvolvimento do comércio. “Na palestra, eu falei sobre como adentrar em mercados de uma forma mais consistente, fazendo um estudo de dados. Ou seja, aproveitando a plataforma da internet e todas as informações que ela já disponibiliza, para que o empresário consiga entender que não necessariamente ele precisa estar lá, pois ele consegue angariar muitas informações no ambiente digital”, afirmou.

Um dos participantes da capacitação foi o representante da Empresa de Relações Internacionais da UFS, Ian Oliveira. A empresa júnior, da qual ele é gerente de marketing, possui um convênio com a Fecomércio e tem objetivo de promover ações direcionadas para a internacionalização dos negócios. Ian evidenciou a importância de manter uma relação com a Fecomércio e participar de capacitações.

“Isso e muito importante para nós, como futuros profissionais, e para a Fecomércio, pois a empresa acaba tendo um vínculo com a academia. Nós estamos sempre atualizados sobre as novidades na academia e, de certa forma, a empresa também se mantém atualizada. E participando destas capacitações, temos a oportunidade de ver profissionais que estão no campo de batalha, uma vez que isso incrementa a nossa formação e, também, a nossa futura contribuição para o estado de Sergipe”, disse.

Por Hugo Barbosa 




Facilidades para compras no comércio exterior são apresentadas na Fecomércio

Na tarde de quinta-feira (07), um grupo de empresários do
comércio varejista e de materiais de construção participaram de uma
apresentação sobre as facilidades e oportunidades de compra de produtos no
mercado internacional, por meio das atividades do comércio exterior, com o
consultor Luizandré Barreto, da Fecomércio Alagoas, convidado pela Fecomércio
Sergipe, para mostrar como os negócios podem ganhar em compra de produtos de
qualidade e conseguir mais competitividade no mercado local.

O consultor Luizandré Barreto deu orientações de como as
empresas podem fazer transações de comércio exterior, por meio de negociações
com representantes comerciais em vários países que têm produção ofertada em
custo menor, para vários tipos de mercadorias. Barreto apresentou cases de
relacionamento comercial exitosos com empresas da China, Estados Unidos, Índia,
Panamá, entre outros mercados internacionais.

Segundo o consultor, empresas de quaisquer tamanhos podem
efetuar compras no mercado internacional, com envio de forma individual ou
compartilhada com outros empreendimentos. Destacou que por meio do comércio exterior,
os empresários podem ter mais acesso a produtos de qualidade, com benefícios
fiscais para a compra, o que resulta no custo final menor que no mercado
nacional. Para ele, os empresários precisam ter em sua mente a compreensão das
regras comerciais e aduaneiras de cada país.

Barreto destacou que as operações de compras com produtores
do exterior são completamente seguras e o empresário não irá adquirir produtos
de qualidade inferior, sim os requisitados dentro de suas exigências para a
comercialização no mercado sergipano. A apresentação contou com a presença do
presidente da Fecomércio Alagoas, Wilton Malta, que veio para Sergipe, visitar
o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira.

O superintendente da Fecomércio, Maurício Gonçalves,
valorizou a iniciativa de promover o estímulo às compras no mercado
internacional, destacando que os produtos chegam com um percentual de economia
considerável, que resulta na venda com preços mais competitivos para o comércio
sergipano.

“Trazer esse esclarecimento para os empresários é uma das
missões da Fecomércio, que busca as melhores alternativas para que as empresas
sempre tenham produtos de qualidade em uma boa relação de custo x benefício para
o empresário e os consumidores. Sabemos que o mercado internacional tem
produção de alta qualidade e que esses bens podem chegar com condições mais atrativas
de compra para as empresas, o que resulta em mais vendas com menor investimento
e também no preço mais convidativo para o consumidor”, afirmou.




Fecomércio se reúne com representantes da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China

O presidente da Fecomércio, Hugo Lima França, recebeu na tarde desta terça-feira (07), o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto Carvalho, acompanhado de uma comissão de representantes da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China (CCIBC), entidade homologada pelo governo da República Popular da China, liderados pelo diretor executivo Emerson Mendes, para discutir sobre os potenciais negócios que o estado pode desenvolver com o país que tem a economia mais crescente do mundo, na atualidade.

Na reunião, o representante da Câmara Brasil China falou sobre os negócios que podem ser desenvolvidos entre Sergipe e a China, destacando as ações comerciais entre o estado e os empresários chineses. O objetivo foi firmar uma parceria com a Fecomércio e os agentes do setor produtivo do estado. O presidente da Fecomércio valorizou as potencialidades locais, com a oferta de nichos de mercado superlativos tanto para os sergipanos, quanto para os chineses. Hugo França destacou que os negócios locais podem ser fortalecidos com os investimentos de empresas chinesas em terras sergipanas.

“Fico feliz com a vinda do Emerson Mendes, representante de uma grande rede de negócios que se expande pelo mundo. O interesse dos empresários chineses em investir em Sergipe nos chama a atenção, por saber que existem boas oportunidades que podem ser seladas entre nosso estado, que tem capacidade de exportar produtos e serviços de qualidade para a China e fazer o caminho bilateral, abrindo caminhos para os chineses em Sergipe. Ações como essa trazem benefícios para nosso estado, fortalecendo nossa economia, não somente na atividade comercial e de serviços, mas de turismo também. Precisamos encontrar os caminhos para pactuar negócios que sejam proveitosos para nosso estado e para isso os investimentos chineses são bem-vindos”, destacou Hugo Lima França.

O secretário José Augusto Carvalho, se pronunciou sobre o que pode ser adquirido em possibilidades para o estado, visando o crescimento econômico sergipano e geração de emprego e renda para a população.

“Levantamos um conjunto de ações que podem ser desenvolvidas aqui e exportadas para os chineses, no tocante ao desenvolvimento de tecnologia, além das condições de produção, comercialização e transporte de produtos fabricados em Sergipe, com os investimentos dos empresários chineses no estado. Temos condições de fornecer incentivos importantes para que a produção e comercialização sejam de custo adequado para os empresários que desejam investir aqui. Sergipe é um estado adaptável para receber grandes investimentos e tem um porto que facilita a entrada e saída da produção”, disse o secretário José Augusto.

O representante da Câmara Brasil China, Emerson Mendes, comentou que as relações comerciais internacionais entre Sergipe e a China podem ser exitosas, citando exemplos de outros estados como o Mato Grosso do Sul, que recebeu recentemente investimentos da ordem de R$ 2 bilhões, afirmando que existem necessidades que Sergipe pode atender.

“Temos várias demandas que Sergipe tem plenas condições de atendimento. A China precisa da criação de bases locais, estabelecendo relações com o mercado sergipano, com vistas em investimentos de longo prazo, gerando grandes oportunidades de negócios. Temos cerca de 50 empresas querendo investir no Brasil e precisam encontrar um lugar para se afirmarem, e Sergipe tem condições técnicas adequadas para isso acontecer, pois tem vontade política e reconhecemos isso na Sedetec e na Fecomércio, que podem nos ajudar a se aproximar ainda mais desse mercado potencial produtor e comercializador. Além disso também há a condição do desenvolvimento do turismo, com a emissão de turistas para conhecer o que Sergipe tem de melhor a oferecer para o mercado internacional”, comentou.




Empresários discutem Comércio Exterior com especialistas na Fecomércio

O primeiro Encontro de Internacionalização e Comércio Exterior de Sergipe (Eicomex) foi realizado na manhã de segunda-feira (29), com a participação de mais de 70 empresários sergipanos, que tem o objetivo de estreitar laços comerciais com outros países, principalmente com a China. O evento, que aconteceu no auditório do Sesc Centro, contou com palestras de especialistas em Comércio Exterior e transações de negócios bilaterais internacionais foi realizado pela Federação do Comércio de Sergipe (Fecomércio-SE), teve as palestras dos empresários Daniela França, Marcelo Abrantes e Pedro Teles, que abordaram diversos temas relacionados ao mercado internacional de negócios.

O empresário Marcelo Abrantes, da All Trade Internacional, fez uma explanação sobre a competitividade dos empresários brasileiros no exterior, dando como exemplo as feiras internacionais de Cantão, na China, do Panamá e da República Dominicana, que geram grandes oportunidades de negócios, principalmente para o setor produtivo nacional, que abraça cada vez mais os produtos brasileiros, nos grandes mercados consumidores de todos os continentes.

“O mercado brasileiro tem grandes condições de promover altos volumes de exportação para outros países, os Estados Unidos e a China, além de países em todo o mundo, são muito receptivos aos produtos brasileiros. No momento atual, o mercado de alimentos é o maior potencial a ser explorado pelos empresários. As feiras internacionais têm plena condição de promover grandes negócios para os empresários brasileiros e sergipanos”, destacou Abrantes, lembrando que somente na Feira de Cantão, na China, foram feitas transações de mais de 31 bilhões de dólares, no ano passado.

Para Daniela Sena França, empresária sergipana do ramo de Comércio Exterior, radicada na China há cinco anos, onde mantém as empresas Continental Comex e a SDM, Sergipe tem grande potencial não apenas no ramo de alimentos industrializados, mas também na exportação de serviços, principalmente de Tecnologia da Informação.

“Nossos empresários podem participar de grandes empreitadas com parceiros internacionais. Podemos promover as vendas em grande escala para os produtores locais, principalmente de matéria-prima para as indústrias chinesas, que também podem promover a venda de produtos a preços mais competitivos para os empresários brasileiros. A globalização promove a facilidade de transações comerciais entre os países. O Brasil tem muito potencial turístico, também para investimentos, além do comércio exterior em si. O mercado de carnes, aves e derivados tem crescido bastante na China, uma boa oportunidade de expansão dos negócios brasileiros”, afirmou Daniela Sena.

Os participantes do I Eicomex participaram realizaram perguntas para tiras todas as dúvidas sobre como proceder para realizar negócios bilaterais de comércio exterior com os palestrantes, apresentando seus questionamentos e ouvindo as explicações do que fazer para desenvolver as atividades em suas empresas.

Para o presidente da Fecomércio, Laércio Oliveira, a chance de os empresários sergipanos expandirem seus negócios, encontra um grande aliado no mercado internacional. Segundo o presidente, a realização de parcerias com empresas de desenvolvimento do Comércio Exterior, promovem as estratégias adequadas de ampliação do mercado, prospecção de fornecedores e potenciais clientes para os produtos e serviços de Sergipe para o mundo.

“O momento é de conquistar espaços no mercado internacional. Hora de rompermos barreiras, para buscar mais oportunidades de negócios na economia globalizada, o que significa o avanço do empreendedorismo dos empresários sergipanos e brasileiros. Este é o primeiro encontro de vários que realizaremos, para poder ampliar a capacidade de negócios, gerando oportunidades. As chances de trabalhar negócios, principalmente com a China, o maior mercado consumidor do mundo, são muito boas para nossos empresários”, valorizou Laércio.

O empresário Pedro Teles, falou sobre os processos de simplificação dos negócios e sobre os potenciais econômicos de Sergipe, destacando a produção sucro-alcooleira e de apicultura. Segundo ele, o caminho para os negócios internacionais está aberto e basta ter a orientação adequada para realizar boas transações.

“Com empresas de auxílio ao comércio exterior, o processo de transações comerciais se torna muito simplificado. Temos muito potencial em Sergipe, para exportação pra todos os países que tem mercado consumidor, temos o suporte técnico para os empresários locais e isso garante a conquista dos mercado internacional”, destacou Pedro Teles.