Laércio Oliveira é eleito presidente da Federação do Comércio

O deputado federal Laércio Oliveira (Solidariedade) foi eleito no dia 22 de maio, por unanimidade de votos, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio), para o quadriênio 2014/2018, em substituição a Abel Gomes da Rocha Filho, cujo mandato termina no dia 10 de julho. Além de Laércio, integram ainda a nova diretoria executiva da entidade: Hugo Lima França, 1º Vice-presidente; Fernando Moraes, 2º Vice-presidente; Marcos Andrade, 1º Secretário; Cloves Alcântara, 2º Secretário; Abel Gomes, 1º Tesoureiro e Alex Garcez, 2º Tesoureiro.

Como diretores da federação, integrando ainda a executiva, ficaram: Fernando Carvalho, Assuntos Governamentais; Gilson Figueiredo, Assuntos do Comércio Varejista e Atacadista; Ancelmo Oliveira, Assuntos Fiscais, Tributários e Trabalhistas; Heribaldo Machado, Assuntos Trabalhistas e Walleska Carvalho, Assuntos da Comunidade e Serviços.  Muito querido pela classe empresarial sergipana, Laércio Oliveira, que também é empresário, conseguiu agregar todos os grupos interessados em concorrer ao pleito.

“Se não existisse consenso, eu não sairia candidato a presidente, mas, graças a Deus, depois de muito diálogo com os companheiros sindicalistas patronais, consegui agregar todo mundo em um único bloco e a vitória é de todos”. A afirmação é de Laércio Oliveira, acrescentando que será um incessante batalhador a fim de conseguir os recursos financeiros necessários para os investimentos que o Estado de Sergipe precisa. “Nós temos alguns projetos aguardando definições da CNC e da direção nacional, seja do Sesc ou do Senac. Não tenham dúvidas, nos iremos buscar esses recursos para tornar as atividades dos nossos braços, social e de formação profissional, mas eficazes”, disse.

Eleicao2014

Com relação aos sindicatos patronais, Laércio afirmou que não adianta um sindicato sem representatividade junto a sua classe. “Para que um sindicato seja participativo tem que existir diálogo, orientação e ajuda técnica para torná-lo mais atuante, efetivo e participativo nas decisões da federação. A Fecomércio só será uma federação forte, se tiver nos seus quadros, sindicatos fortes”, concluiu.